PMNAS

Servidora pivô de esquema de fraude no Detran-MS tem pedido de liberdade negado

Yasmin Osório Cabral recebia propina para dar baixas em caminhões com restrições e agia junto com despachante que est√° foragido, segundo a pol√≠cia

Por Midia NAS em 11/07/2024 às 10:09:35
Yasmin está suspensa das funções por seis meses (Divulgação, Detran-MS)

Yasmin está suspensa das funções por seis meses (Divulgação, Detran-MS)

Presa acusada de operar fraudes no Detran-MS (Departamento Estadual de Trânsito de Mato Grosso do Sul), a servidora comissionada - e suspensa por 6 meses das funções - Yasmin Osório Cabral teve pedido de liberdade negado. Assim, ela permanece detida em uma cela no pres√≠dio feminino "Irmã Irma Zorzi", no Bairro Coronel Antonino, em Campo Grande.

Pivô de esquema de fraude no sistema do Detran-MS que pode ter rendido "lucro" de at√© R$ 2 milhões, Yasmin foi presa em sua casa, no Jardim São Lourenço, por volta das 20h de s√°bado, por força de mandado de prisão preventiva. Ela recebia propina para, clandestinamente, dar baixas em caminhões com restrições, em fraude cometida em conjunto com o despachante David Clocky Hoffaman Chita, que est√° foragido.

Então, o advogado de defesa da servidora, Andr√© Stuart Santos entrou com pedido de habeas corpus na segunda-feira. O HC foi negado em decisão proferida por volta das 16h desta quarta-feira (10). O pedido √© analisado pela 3¬™ Vara Criminal.

Por enquanto, a decisão foi liminar, ou seja, provisória. Logo, ainda pode ser revertida com a decisão final.

Yasmim estava lotada por √ļltimo na Corregedoria de Trânsito (Cotra) do Detran-MS (Departamento de Trânsito de Mato Grosso do Sul)

Operação revela fraudes no Detran-MS

David tem mandado de prisão em aberto contra ele (Reprodução)

Conforme o Dracco (Departamento de Repressão à Corrupção e ao Crime Organizado), Yasmin teria participado de esquema que rendeu cerca de R$ 290 mil em apenas um dia - mas os valores podem chegar a R$ 2 milhões. Ela seria pivô da investigação e teria papel-chave na identificação dos "benefici√°rios" dos desvios ocorridos no Detran-MS.

Conforme a pol√≠cia, a servidora obtinha clandestinamente senha de outros servidores, acessava o sistema e identificava caminhões com restrições. Então, passava informações para o despachante David Cloky Hoffamam Chita, que exigia o pagamento de R$ 10 mil dos propriet√°rios para liberar os ve√≠culos.

Assim, ao receber os valores, a servidora liberava as restrições no sistema e o despachante baixava a documentação. Ao menos 200 ve√≠culos liberados irregularmente pelo grupo estão identificados.

Ainda, ficou constatado nas investigações que Yasmin receberia presentes de David como um iPhone 15 Pro Max, joia e valores no Pix.

Negou pedido de despachante

O desembargador Fernando Paes de Campos negou pedido para revogar prisão preventiva contra o despachante David Cloky Hoffamam Chita, que est√° foragido após operação da pol√≠cia revelar que ele era chefe de esquema que pode ter lucrado at√© R$ 2 milhões com fraudes no Detran-MS (Departamento de Trânsito de Mato Grosso do Sul). O habeas corpus tramita na 3¬™ Câmara Criminal do TJMS (Tribunal de Justiça de MS).

"Destarte, ante ao exposto, indefiro a liminar pleiteada", declarou o magistrado em decisão publicada no Di√°rio Oficial da Justiça desta terça-feira (9).

Confira nota do Detran-MS sobre o esquema de fraude

"A investigação em questão corre sob sigilo de justiça, de maneira que, como determina o devido processo legal, afastamentos e demais processos administrativos, c√≠veis ou criminais, devem ser tratados como prev√™ a legislação. 

O Detran-MS reforça que colabora com os órgãos de controle, interno e externo, para garantir apuração c√©lere e punição rigorosa de eventuais servidores envolvidos em quaisquer pr√°ticas ilegais e/ou criminosas. 

Reiteramos que a identificação de atividade il√≠cita que culminou com as investigações em curso, só foi poss√≠vel graças ao monitoramento ininterrupto feito pelo Departamento de Trânsito, que identifica ações ou operações at√≠picas dos servidores, gerando alertas para os departamentos respons√°veis investigarem mais a fundo".

Na ocasião, Yasmin foi procurada pela reportagem para se posicionar sobre as acusações, mas não enviou resposta at√© a publicação dessa reportagem. O espaço segue aberto para manifestação.

Comunicar erro
Camara Municipal de NAS

Coment√°rios

Publicidade 728x90 2 Camara Vol 2